Faltam -79 dias

UNICEF

Fundo das Nações Unidas para a Infância – UNICEF

Medidas de Prevenção da Exploração do Trabalho Infantil na Ásia

Bem vindos, delegados!

Tendo em vista a crescente adequação dos países asiáticos ao capitalismo na atualidade, tem-se percebido uma maior incidência de crianças trabalhando para ajudar no sustento de suas famílias, fazendo com que haja, assim, a priorização do bem-estar das suas famílias em prol de sua educação, uma vez que estas crianças são forçadas a abandonar suas escolas a fim de obter algum meio de renda. Essas crianças passam a ser submetidas a fortes trabalhos braçais e condições perigosas que podem afetar o seu desenvolvimento e a sua saúde, além de submetidas a longas jornadas de trabalho e condicionadas a manusearem objetos perigosos sem a devida proteção necessária.

Ao observar essa problemática como algo corriqueiro, principalmente nos países asiáticos, o Fundo das Nações Unidas para a Infância acredita que todas as crianças têm o direito de sobreviver, prosperar e realizar o seu potencial, em benefício de um mundo melhor. Isso significa que, na atualidade, há a necessidade de propagar a igualdade no acesso aos serviços e cuidados que podem fazer toda a diferença na vida dessas crianças, de trabalhar para que tanto meninos quanto meninas possam ter acesso a uma educação de qualidade e lutar para que haja a igualdade de gênero. Significa, também, trabalhar com crianças e adolescentes, entendendo as suas preocupações, além de compreender a situação global, que abrange crianças de todos os lugares no mundo.

No XIV Fórum FAAP, a Unicef tem o objetivo de discutir e encontrar diversas formas para prevenir e amenizar o trabalho infantil no continente, tendo em vista que este é o que possui o maior índice de crianças escravizadas, sendo palco das principais guerras na atualidade e de grande produção de bens baratos.

E por quê? Quais são as condições desses países que submetem essas crianças a buscarem algum tipo de renda e o que podemos fazer por elas? Como podemos dar uma educação de qualidade para essas crianças e ao mesmo tempo, melhorar a condição familiar dessas crianças? O governo local pode fazer parte disso?

Este ano, no Fórum, esperamos encontrar todas essas respostas, além de promover um debate rico e esclarecedor, para que, por fim, cheguemos à conclusão de como podemos ajudar essas crianças, a partir da visão e participação de diferentes países neste comitê.