Mostra explora polivalência do plástico

Museu da Faap reúne cerca de 400 objetos, um terço do acervo da colecionadora Maria Pia Incutti, revelando a evolução técnica pela qual o material passou nos últimos 150 anos

São Paulo - Uma exposição curiosa, na qual se combinam objetos extremamente sofisticados como pequenas peças art déco que parecem feitas da mais fina madrepérola, antigos aparelhos de rádio (um dos itens mais procurados no mercado), sofisticadas criações de design e elementos de decoração de gosto discutível, a exposição Plástico, Formas e Cores dos Materiais Sintéticos não é apenas uma mostra da polivalência do material mais usado nos nossos dias.

Reunindo cerca de 400 objetos - aproximadamente um terço do acervo da empresária italiana Maria Pia Incutti, que além de objetos de plástico também coleciona arte contemporânea -, a mostra pretende valorizar o plástico, mostrar seus múltiplos usos, sua importância para a sociedade moderna e a grande evolução técnica pela qual passou nos últimos 150 anos, deixando de ser um trabalho artesanal e tornando-se cada vez mais uma produção industrial em larga escala.

A montagem da exposição deve surpreender os visitantes. Quer pelo desejo de destacar a qualidade do design e a diversidade do material, quer pela necessidade de proteger as peças - "todo plástico é sujeito à deterioração molecular", explica Maria Pia -, os objetos são tratados como se fossem jóias, raridades. A luz é bem baixa, como aquela usada para exposição de obras em papel, por causa do calor. E todo o material usado na cenografia tem a mesma origem do plástico.

Utilitários e objetos de arte se revezam, sem separações hierarquizadas. Há uma certa ênfase nas décadas de 20 e 30 e as produções artesanais acabam por se sobressair, como é o caso da obra feita pelo artista plástico britânico Tony Cragg, que construiu uma coroa com cerca de 300 sucatas de plásticos, colhidas à beira-mar. Ou a bela luminária desenhada por Rodchenko em 1925, da qual existe apenas um protótipo, realizado na década de 70 por uma indústria.

A relação de Maria Pia com o plástico não decorre apenas do desejo de arrematar e possuir belos objetos, mas do interesse em colaborar para a evolução técnica desse material. Seu objetivo é incrementar a relação entre tecnologia e arte.

Serviço Plástico. Formas e Cores de Materias Sintéticos. De terça a sexta, das 10 às 21 horas; sábado, domingo e feriado, das 10 às 18 horas. MAB/FAAP. Rua Alagoas, 903, tel. (11) 3662-1662/ramal: 1123. Até 7julho.

Maria Hirszman

http://www.estadao.com.br/divirtase/noticias/2002/mai/16/166.htm